Yugen: a estética japonesa aplicada ao design

Yugen: a estética japonesa aplicada ao design

A estética japonesa é composta de um conjunto de ideais antigos que incluem Wabi (beleza transitória e total), Sabi (a beleza do envelhecimento natural) e Yugen (a beleza do invisível). Esses ideais são mais fortemente influenciados pelo budismo japonês. Na tradição budista, todas as coisas são consideradas como “evoluindo ou se dissolvendo para o nada”. Esse “nada” não é um espaço vazio, mas sim um espaço de potencialidade.

Se os mares representam potencial, então cada coisa é como uma onda que surge dele e retorna a ele. Não existem ondas permanentes. Não existem ondas perfeitas. Em nenhum ponto uma onda é completa, mesmo em seu pico. A natureza é vista como um todo dinâmico que deve ser admirado e apreciado.

No conteúdo sobre o Japonismo (clique aqui para ler), falamos sobre a influência do Japão no Ocidente. Hoje, falaremos mais especificamente sobre o conceito Yugen.

Você já se sentiu profundamente comovido ao ver as ondulações em um lago calmo e silencioso? Ou bandos de pássaros fazendo padrões no céu ao pôr-do-sol? Ou até o vento soprando nas flores de cerejeira na primavera? Então você provavelmente já experimentou o Yugen - mesmo que não saiba.

Yugen é uma palavra que não tem tradução exata para o português, mas pode ser descrita como uma sensação que todos já sentimos. Foi vagamente resumido como “uma consciência do universo que desencadeia respostas emocionais muito profundas e poderosas para palavras”, mas também foi chamado de “graça misteriosa”, “profundidade sutil” e a “beleza do invisível”.

Não descreve a beleza em si, mas descreve a sensação que você tem quando vê algo bonito ou ouve algo profundo É sentido com o coração, não visto com os olhos. Diz-se que veio da filosofia chinesa, em que significa "obscuro", "profundo" ou "misterioso", e é um princípio importante do movimento tradicional da estética japonesa na arte e na cultura.

 

Foto por Yaroslav Shuraev

 

Yugen pode também referir-se ao nome de um estilo de poesia (um dos dez estilos ortodoxos delineados nos tratados de Fujiwara no Teika). Nos tratados internacionais de teatro Noh de Zeami Motokiyo, refere-se à graça e elegância de vestir-se valorizando o comportamento das damas da corte. Assim, segundo a interpretação de Zeami, o Yugen surge como significado de "elegância refinada".

Zeami também descreveu estes exemplos de Yugen como “assistir ao pôr do sol atrás de uma colina coberta de flores; vagar por uma enorme floresta sem pensar em voltar; ficar na praia e olhar para um barco que desaparece atrás de ilhas distantes; contemplar o voo de gansos selvagens vistos e perdidos entre as nuvens.

Algumas pinturas japonesas de paisagens com névoa, por exemplo, levam o observador a fazer uma conexão com o espaço que parece estar além deste mundo. Este é o sentido estético do Yugen.

Essas definições são poéticas e românticas, e fazem você sentir o quão pequeno você é no grande esquema das coisas. É um sentimento de admiração que pode ser opressor, mas também pode ser catártico. Oriana Aragon, de Yale, em um relatório na Psychological Science, diz que chorar de felicidade, ou por algo bonito e profundo, pode ser a maneira do corpo se reequilibrar e nos ajudar a lidar com a emoção. “As pessoas podem estar restaurando o equilíbrio emocional com essas expressões”, diz ela. “Eles parecem ocorrer quando as pessoas estão sobrecarregadas com fortes emoções positivas e as pessoas que fazem isso parecem se recuperar melhor dessas fortes emoções.”

O novo panorama de consumo que indica o contínuo aumento da necessidade de reconexão com a natureza explica a busca por conceitos com o Lagom (leia aqui o conteúdo) e agora, o Yugen.

O comportamento wellness, buscando o equilíbrio entre o externo e o interno ganha ainda mais força com o Yugen, ressaltando a necessidade do foco para percorrer novos caminhos.

 

Foto por Andrea Piacquadio

 

EXPERIENCIANDO O LADO DE FORA

Os exemplos tradicionais de Zeami de cenas que evocam Yugen são todos externos por um motivo: o mundo natural tem o poder de nos acalmar e inspirar. Há uma razão pela qual olhar para a lua, por exemplo, é tão poderoso - é algo que pode ser experimentado por qualquer pessoa no mundo todo; é antigo e ainda está presente. Troque seu almoço de escritório por um passeio em um parque local e tente perceber o que está ao seu redor e como isso o move.

 

Foto por Skyler Ewing

 

OFFLINE

Você não notará a profundidade sutil das coisas se estiver grudado em seu telefone. Há um poder meditativo em se soltar e se perder no cenário, e os benefícios da meditação para a saúde são inúmeros: ela ajuda a controlar o estresse, a ansiedade e a depressão, ajuda a dormir e até mesmo o deixa mais feliz. Permita-se apreciar uma bela vista, uma música elevada ou uma pintura e a sensação de Yugen que isso provoca, em vez de rolar pelas redes sociais sem direção.

 

Foto por Artem Beliaikin

 

DESCOBRINDO SEU ARTISTA INTERIOR

Sesshū Tōyō, um dos mais venerados mestres japoneses da pintura, poesia e caligrafia, em sua pintura "A paisagem de tinta respingada", criou uma obra que trata tanto do espaço vazio quanto dos movimentos corporais usados para criá-lo. Permita-se experimentar e prestar atenção nas sensações do seu corpo ao desenhar, nas formas que ele cria e na graça de seus movimentos.

 

Foto por Anthony Shkraba

por Refresher