*favorite as imagens acima!

O novo consumo (Série: essência de dentro para fora 5/6)

Continuando com a Série: essência de dentro para fora, após falarmos sobre Os Revolucionários (clique aqui para acessar o conteúdo), que formam grande parte dos consumidores do futuro, nosso tema agora aborda como esse comportamento afeta O Novo Consumo.

Os consumidores estão redefinindo a vida em casa após a pandemia, com foco no compartilhamento de habilidades, ferramentas e tempo com seus vizinhos e comunidade. Após passar pelo susto das prateleiras vazias e produtos em espera, como é possível se equipar melhor para crises futuras?

A pandemia fez com que os consumidores interagissem com os vizinhos de uma forma que, em outro cenário, não teria acontecido. Eles compartilharam alimentos, ingredientes e produtos do dia-a-dia, contaram com ajuda para as tarefas e cuidados infantis, e se tornaram familiares e amigos em um momento em que tantas pessoas se sentiam isoladas. De acordo com uma pesquisa realizada pela Share to Buy, um portal online com sede no Reino Unido, seis em cada dez britânicos descrevem os vizinhos como amigos após o confinamento, e metade diz que ficaria feliz em comprar algo para um vizinho.

A tendência do consumidor para a sobrevivência mudou para a autossuficiência, com foco na resiliência e na desenvoltura da comunidade, e as maneiras como os consumidores gastam seu dinheiro e compram para seus amigos e familiares também mudaram. Os estilos de vida do consumidor estão se tornando mais empáticos e envolvidos na comunidade, e por isso, é fundamental que as marcas se envolvam com esse novo comportamento em nível local. Essa, na verdade, é uma tendência que está emergindo já há algum tempo (lembra do Capitalismo Comunitário?), e teve sua aceleração de certa forma “forçada” pela pandemia.

 

Foto por Laura James

 

COMPARTILHAMENTO E MAKERSPACES

Por anos, a frase "economia compartilhada" tem trazido à mente a moagem da economia gigante, dos consumidores tentando extrair o máximo que podem de seus ativos, seja um carro ou uma casa - mas essa narrativa está mudando para um estilo de vida baseado na comunidade.

O poder de marcas como Airbnb, Uber e WeWork tornou a economia compartilhada muito voltada para os participantes corporativos e acionistas. Mas à medida que os consumidores se tornam mais auto suficientes, surge um estilo de vida que se concentra em habilidades, tempo e ferramentas.

Uma das maneiras pelas quais os consumidores estão comprando menos é através da ajuda de bibliotecas de ferramentas da comunidade. Aqui, os membros pagam uma taxa anual acessível e, por sua vez, têm acesso a uma biblioteca de ferramentas, incluindo cortadores de grama, ferramentas elétricas, serras e outros eletrodomésticos. Embora grandes varejistas ofereçam aluguel de ferramentas, as taxas geralmente são por hora e exigem um grande depósito, o que pode ser uma barreira para muitos consumidores.

Como as bibliotecas de ferramentas, os “cafés para consertos” têm como objetivo ajudar os consumidores a consertar seus produtos existentes, aprender novos conjuntos de habilidades para projetos futuros e ajudar os consumidores que estão passando por dificuldades financeiras.

O Repaircafe.org foi lançado por Martine Postma em Amsterdã em 2009 e, desde então, cresceu para mais de 2.000 cafés em todo o mundo, da África do Sul ao Japão e à Índia. Desde seu início, a organização economizou aproximadamente 432.000 itens de aterros, incluindo seus produtos mais consertados: lâmpadas, bicicletas, aspiradores, máquinas de costura e laptops. O Dia Internacional do Reparo de 2020 ocorreu em 17 de outubro e incluiu eventos de reparo em todo o mundo. À medida que o movimento do Direito de Reparar ganha força na legislação em todo o mundo, o interesse do consumidor em acabar com a cultura do descartável só vai aumentar.

Os makerspaces comunitários são outra forma de os consumidores se reunirem para ajudar a fazer e vender seus próprios produtos, bem como para consertar os existentes. Normalmente instalado em um espaço público como uma escola ou biblioteca, os makerspaces - também conhecidos como hackerspaces e FabLabs - variam de alta a baixa tecnologia, atendendo a todos os tipos de projeto, desde o artesanato até a impressão 3D. Em um momento em que a popularidade de projetos de artesanato e faça você mesmo está em alta (as vendas de kits de artesanato aumentaram 117% em relação ao ano anterior) e os consumidores anseiam por experiências pós-Covid que reúnam a comunidade, os makerspaces estão maduros para ser o próxima grande coisa na economia da experiência.

 

Foto por Marley Clovelly

 

Foto por cottonbro
 

COMO SERÁ O FUTURO?

Na busca pela compreensão sobre as condições que afetarão as pessoas, o Facebook efetuou uma pesquisa online com 12.500 pessoas de 18 a 64 anos em 14 mercados globais durante agosto e setembro de 2020. Nessa pesquisa, foi descoberto que as pessoas estão buscando recuperar o tempo,  encontrar felicidade em compras online, interagir com marcas e participar de comunidades globais e locais por meio de tecnologias emergentes. A seguir, podemos acompanhar alguns dados que foram encontrados nesta pesquisa.

As pessoas se encontram em uma situação cada vez mais paradoxal, e por isso, estão buscando maneiras de recuperar o próprio tempo enquanto enfrentam demandas cada vez maiores pela sua atenção, tanto no âmbito pessoal quanto no profissional. Globalmente, 9 em cada 10 pessoas entrevistadas estão ativamente buscando formas de economizar tempo e simplificar a vida, e para isso, tempo é a moeda mais valiosa na jornada rumo à realização pessoal. Um benefício da conveniência é que ela cria espaço para sonhar. Além disso, libera o tempo de que as pessoas precisam para investir em seu verdadeiro potencial. Para os consumidores ocupados, a conveniência oferece tempo e espaço para as pessoas procurarem produtos importantes para elas. E à medida que as pessoas procuram e compram cada vez mais produtos e soluções que simplificam a vida, as marcas têm novas oportunidades de exercer um papel realmente significativo na vida das pessoas. Dessa forma, 90% das pessoas estão procurando ativamente formas de simplificar a própria vida, e 86% dos consumidores que procuram conveniência pagariam por produtos ou serviços que levassem à economia de tempo.

Embora compras online tenham vantagens como velocidade, conveniência e transparência, muitos clientes ainda desejam a experiência alegre e coletiva das compras presenciais. Com o surgimento de novas tecnologias como a realidade aumentada e as compras ao vivo, as pessoas estão adotando ferramentas digitais que permitem que elas se conectem com marcas, produtos e outros clientes de forma mais profunda. Globalmente, 73% afirmam que estão interessadas em maneiras novas e diferentes de fazer compras e 82% afirmam que as redes sociais aumentaram a sua expectativa em relação à interação com a marca. No entanto, as marcas não devem confundir as expectativas de tecnologias empolgantes com carta branca para usá-las apenas porque são tendência: os consumidores estão buscando experiências envolventes que sejam um convite à participação, promovam conexão e informem a tomada de decisão, como provadores virtuais e detalhamentos em 3D.

As redes sociais aumentaram a expectativa das pessoas em relação às marcas. Cada vez mais, as pessoas querem se sentir conectadas por meio de experiências imersivas e interativas. E as compras ao vivo, a realidade aumentada e outras tecnologias estão ajudando a acrescentar utilidade e leveza ao relacionamento das pessoas com as marcas. 82% dos entrevistados disseram que as redes sociais permitiram interagir mais e estreitar o relacionamento com as marca, 73% disseram que têm interesse em testar novas e diferentes formas de fazer compras, e desses, 74% consideram a realidade aumentada uma forma divertida de interagir com as marcas.

 

Foto por Anna Shvets

 

Foto por cottonbro

 

Os Capitalismo Comunitário realmente veio para ficar, e Os Revolucionários são parte importante dessa tendência comportamental que ainda modificará bastante o consumo da maneira que conhecemos, transformando O Novo Consumo. Isso afetará diretamente os parâmetros industriais de venda e também os padrões estéticos que conhecemos. Você já consegue identificar alguma dessas mudanças?

 

por Refresher